quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Não Lhes Dêem Trela

O FBI diz que vai armazenar um monstruoso acervo de dados pessoais, como registos das íris e das palmas completas de nacionais e estrangeiros. Parece excesso de zelo para compensar a frustação de um País que nem um sistema nacional de cartões de identificação com a dedada do indicador conseguiu erguer. E o exame ocular pode conceber-se como torneável, não esqueço o primeiro contacto que tive com a antevisão dele, numa substituição cirúrgica, julgo que de um filme de James Bond. Claro que a segurança e a ameaça terrorista impõem sede de controlo. Mas duvido de que seja eficaz, porque os maiores inimigos do Ocidente são grupos que, para os atentados, recorrem preferencialmente a jovens idealistas virgens de cadastro criminal, ficando os veteranos a dirigi-los de longe, quase que por telecomando. Caso se opte por controlar todos, independentemente do curriculum, estaremos perante um cenário de distopia, em que a vigilância por pulseiras electrónicas seja estendia para além dos condenados. Ou por implantes de chips, em que qualquer indesejável que tente transpor a fronteira faça soar uma buzina, à maneira do que, quanto a mim correctamente, se prepara para as bolas de futebol que atravessam a linha de golo. Mais ainda do que os telemóveis, perspectiva-se um mundo de trelas electrónicas em que a nós cabe o pior lugar.

4 comentários:

filomeno2006 disse...

Cita cinematografica: Never say never again (1983), remake de "Operación Trueno", 1965, con la bellísima Bárbara Carrera interpretando el papel de Fátima Blush (Carrera, pionera en los "low rise jeans" en 1972). 007 recibe tratamientos fisioterapeúticosde Patricia Fearing. La orina del Agente de Su Majestad es empleado como "arma corrosiva"............Ab

MySelf disse...

Muito obrigado, desejo-te o melhor neste Natal e no ano que se aproxima!
Vou actualizar o blog e espero a novamente a tua companhia!
Beijinhos, gostei de saber que afinal não te foste embora!

O Réprobo disse...

Meu Caro Filomeno,
obrigado pela erudita citação.
Forte abraço

O Réprobo disse...

Querida Myself,
foi mais forte do que eu e voltei.
Claro que assentarei arraiais no «Luz Acesa», ehehehehehe.
Beijinho