sábado, 1 de dezembro de 2007

Casa de Boneca

Hoje faria anos Madame Tussaud. Sempre me deixou assombrado o sucesso que teve o seu museu de figuras de cera, vivendo da mera semelhança, sem voos artísticos outros que não fossem o do cantinho macabro da Câmara de Torturas. Mas é atracção de fama mundial.
O inanimado, desprovido da dignidade pétrea, ou metálica, mais trabalhosa e própria de Artista, que não de artesão, não me seduz tanto assim. O que já não posso dizer de uma Boneca com o sopro músico-vital que confessa, ao usar o som para não fazer cera: France Gall em «Poupée de Cire, Poupée de Son».

4 comentários:

Luar disse...

Ahhhh canção tão velhinha....

O Réprobo disse...

Querida Luar,
mas achei que calhava bem, contraposta aos bonecos de cera mudos.
Beijinho

Bic Laranja disse...

A orquestra estava afinada. Cumpts.

O Réprobo disse...

Caríssimo Bic Laranja,
elegantíssima demarcação da Intérprete. Ela nem daria por isso, pensaria estar a receber um elogio...
Ab.