segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

As Perfeições da Técnica

O caso do heli que resolveu descolar à revelia da tripulação é arrepiante. Ainda não estaremos perante o ambiente de guerra entre Humanos e autómatos deste filme da minha vida, mas sabe-se como as revoltas começam pela desobediência, antes de fazerem o upgrade para a disputa do poder. E é curiosa a consciência das chefias militares que reconhecem meritório o esforço desenvolvido pelo comandante da embarcação para voltar à terra. Se pode impressionar pela oposição à dificuldade natural que o aparelho serve para vencer, é bem emblemática do esforço que todos devemos empreender para nos libertarmos das esperanças enganadoras depostas nas máquinas.

18 comentários:

T disse...

Ena.Um dos meus filmes favoritos. Se calhar vou comprar o dvd com o filme recuperado.
Bjs

O Réprobo disse...

Eu tenho uma versão melhorada em relação à do circuito, no suporte vídeo. Mas claro que o DVD oferece mais informação e prazer.
Bj.

T disse...

Mas eles iam recuperar o filme e lançá-lo brevemente. Vi um documentário sobre isso até.

O Réprobo disse...

Sim, até porque foi muito cortado para a exibição comercial.
Bj.

Capitão-Mor disse...

Excelente escolha!

O Réprobo disse...

Meu Caro Capitão-Mor,
muito obrigado, muito importante na minha juventude, artisticamente muito superior aos Terminators, apesar e eu defender que o primeiro da série é um bom filme.
Abraço

Cristina Ribeiro disse...

Qualquer filme com Harrison Ford é um dos filmes sa minha vida :)...; bem, uns mais do que outros. Vou fazer como a T , e procurar o DVD-vale bem a pena.
Beijinho0s aos dois

O Réprobo disse...

Querida Cristina,
Sem o.... hrãããã... aspecto complementar subjacente, também admiro bastante O ACTOR. Força!
Bj.

T disse...

Viva o Harrison Ford!!!
Estou como a Cristina. Aquele ex carpinteiro é uma panaceia para a alma.
Beijos para os três:)

Carlos Portugal disse...

Caríssimo: O «Blade Runner» é também um dos filmes da minha vida, concordo plenamente com a acertadíssima escolha.
Quanto ao heli, penso que quanto mais automatismos tem um aparelho, mais vulnerável se torna a qualquer «glitch», para além da sua fiabilidade cair em flecha (mas isso as empresas não dizem). A este propósito, um dos aviões em que menos gosto de voar é o Airbus (qualquer um). Os problemas estruturais são de arrepiar (mas os passageiros não sabem), e quanto aos de software, basta dizer que muitos pilotos têm de desligar EM VOO vários dos computadores de bordo para lhes fazer «reset», quando a coisa dá para o torto. O que vale são os sistemas de redundância, senão tínhamos o fabricante recordista de desastres aéreos...

E, quanto aos seres humanos... não seremos todos «replicants of God?»...

Abraço.

O Réprobo disse...

É mais actual fazendeiro...
Lembra-Se da joke do Cálice, do Indiana Jones?
Bjinho

O Réprobo disse...

Mru Caro Carlos Portugal,
um Primo Meu que trata dos comandos informáticos deles a partir de terra, já me tinha falado dessa característica. A mim, que ainda sou do tempo dos mecânicos de bordo, estas coisas fazem-me confusão profunda...
No caso do heli, ainda por cima com uma identidade paralela à do meu mail, fiquei cheinho de medo de que me viessem pedir satisfações...
Quanto à douta frase final, com a revolta e limitação que também nos fazem...
Grande abraço

T disse...

Mas tem mãos de carpinteiro:)

O Réprobo disse...

Pode ser. Disso não percebo patavina.
Bj.

T disse...

A Cristina entende-me:)
Bj

O Réprobo disse...

Girl Talk...
Bj.

T disse...

Qual era a piada, que me esqueci de perguntar?A do Indy.

O Réprobo disse...

Não Se lembra, na escolha dos três cálices, um dos quais conteria o Graal, ao fazer a escolha do mais modesto, o de madeira, acerta e justifica com o facto de ser o Cálice de um Carpinteiro? Claro que aí o Carpinteiro era Outro, mas la liaison c´est a Vous.
Bjinho