domingo, 13 de julho de 2008

As Alegrias da Técnica

Enquanto tomava um copo com um Amigo de longa data, lamentou o meu Interlocutor que eu aqui não tivesse abordado a loucura do público em torno da novidade tecnológica do iphone. Pois faço-o com este desenho de Rowlandson, sobre o tempo em que a locomotiva a vapor (de Trevithick) era dada como espectáculo a audiências pagantes. Tão logo que o uso torne o instrumento corriqueiro, logo aos entusiastas do momento de comercialização estará reservada a imagem de pategos, perante os que tomem conhecimento de tão ingénuas explosões de entusiasmo...

8 comentários:

Cristina Ribeiro disse...

O pão que falta ao circo?
As pessoas que se entretenham: não que faltem palhaços...
Beijo, Paulo

Nelsinho disse...

Tenho o defeito (?) de gostar de gadgets, computadores, quinquilharias eletrônicas e afins, mas só costumo comprar o que preciso, ou no mínimo, o que prevejo se tornará útil.

Um abraço

O Réprobo disse...

Mas é engraçado, Querida Cristina, que o entusiasmo se canalize para qualquer novidade instrumental como se a Salvação fosse facultada pela detenção de um qualquer modelo de ponta no brevíssimo prazo em que lidera.
Beijo

O Réprobo disse...

Meu Caro Nelsinho,
gostar de Se servir de máquinas modernas é ua coisa. Fazer cenas histéricas como as qe vi, para comprar um aparelhómetro no dia em que foi posto à venda, como se fosse uma melhoria curricular ter um avanço de horas sobre outros interessados, parece-me fazer do comunicadorzito um espectáculo desmiolado.
Abraço

Júlia Moura Lopes disse...

a Cristina disse tudo! ehehehe

bebendo copo e doente, Paulo? aiiiiiiii

O Réprobo disse...

É, Júlia, aquelas Nuvens são grande posto de observação.
Calma, a doencita ontem já era coisa do Passado e como não estava a tomar antibióticos...
Além de que tomar um copo não é enfrascar-me. Já houve tempo para isso.
Beijinho

Once disse...

de facto, excelente visão, como sempre .. :)
e será que a felicidade dos consumistas está na directa proporção dos valores acumulados?

O Réprobo disse...

Qual, Querida Once! Pois se amanhã haverá um modelo novo que só por surgir tornará este obsoleto, para efeitos de status e auto-estima!
Beijinho