sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Amar o Poder

O Sultão e a Favorita de Maurice MazoA Sr.ª D. Fernanda Câncio está no seu pleníssimo direito de se atirar ( no sentido de criticar) Sarkozy, mas é estranho que, conhecidas as incidências biográficas, não tenha tido mais pudor em fazê-lo, parecendo que está a advogar causa própria. Cada um tem o direito de exibir a Companhia da Vida, ou não, do alto da cadeira que ocupe. A Articulista prefere a ocultação, Carla dá-se bem com as luzes da ribalta, Ambas devem ser respeitadas. As Mulheres que conheço, na Sua maioria, gostam de ser exibidas, mas, também aqui, a Democracia não faz qualquer sentido.
É preciso apenas ter presente uma regra - não expor os momentos maus. O que Sarko fez com decisão, quando interrogado sobre o fim da relação com Cecilia.
O resto fá-lo a vontade de ver do Povo e dos intermediários, como a mais protegida do Serralho, dada à tela por um pintor.

16 comentários:

Luísa disse...

Meu caro Réprobo, não sei se, por esta vez – que é como quem diz excepcionalissimamente :-) – não estarei em relativo desacordo consigo. Sarkozy tem toda a legitimidade para fazer, em torno da sua vida privada, o barulho que quiser. Mas alguma discrição – nem que um mero simulacro dela - teria caído melhor. A imagem que dele passa a poder construir-se como político e, sobretudo, como homem sai ligeiramente tocada.

O Réprobo disse...

Querida Luísa,
caído melhor...
Não A desmentirei, mas quedas dessas é o que tenho gosto em ver evitar. Está na hora de restaurar a identificação do País com um quotidiano familiar, uma erosão do ideal republicano e não já apenas do desencanto dele. Acabar com os carreiristazinhos apagados ciosos da sua privacidade que fingem o sacrifício de exercer um cargo para cuja ocupação fizeram mil e um esforços. Restaurando a publicidade dos sentimentos que unem um Chefe de Estado a uma Mulher, quem sabe se não se generalizará a atmosfera que possibilite, num prazo menos curto, a devolução da Europa roubada à Legitimidade hereditária das Famílias Reinantes?
Tudo isto desde que não haja revelações que possam magoar, como nos casos em que as relações correm mal.
Beijinho

Capitão-Mor disse...

"Mulheres que conheço, na Sua maioria, gostam de ser exibidas". Bom, prepare-se para uma chuva de machadadas!!! :)
Essa novelinha do Sarkozy já me está a enjoar...

O Réprobo disse...

Não Creio, Caro Capitão-Mor, nada tem de ofensivo, são as delícias do Amor.
Pois eu, enquanto a Carla o acompanhar...
Mas, bem vê, nunca enjoei do que gosto.
Abraço

T disse...

Valha-me a Santa.
Acho que enquanto no estádio amoroso, as pessoas pouco se importam com quem as observa, não se trata de exibição. Essa última acho deplorável. Qualquuer que seja o motivo, desde que seja intencional.
Bj

O Réprobo disse...

Dona T, a nova versão do ovo ou da galinha: a exibição é motivada por quem olha, ou por quem se deixa olhar?
Sarko, que eu saiba, não bateu à porta dos jornalistas para ser seguido.
Bj.

T disse...

Falei em Geral! Citei nomes, citei?
:)
Bj

O Réprobo disse...

Não tinha reparado no estatuto de "Comentário ex-machina".
Bj.

Cristina Ribeiro disse...

Kissinger disse uma vez que o poder é um grande afrodisíaco. Será...
Beijo

O Réprobo disse...

Pois, Cristina, é bem possível que isso A tenha estimulado. Mas no que refere ao Sarko, com aquela Parceira, não me parece que precisasse de excitantes suplementares...
Beijo

T disse...

Está muito gracioso hoje!
Bj

O Réprobo disse...

A Senhora é que está mais perspicaz. Eu sou o de sempre.
Bj.

T disse...

O de sempre, mas melhorado:)

O Réprobo disse...

Com o convívio Consigo mal seria que não me aperfeiçoasse...
Bj.

T disse...

às vezes aperfeiçoa...às vezes.

O Réprobo disse...

Por vezes a Perfeição é avara em dar-Se aos mendigos como eu...
Bj.