segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

Os Infortúnios da Saúde

A Criação do Mundo de Hyeronimus BoschNão está em causa a importância do fim, senão a dignidade do meio. Para quem cresceu a conciliar o riso com o horror, ao ver num programa antigo de Jô Soares a invenção de nomes arrevezados para crismar seres inventados a partir do cruzamento de genes de espécies diferentes por um cientista louco, esta notícia é a consagração da insanidade sem o humor que pudesse valer. Ao permitir criar uma forma de vida em que uma fracção do código genético da humanidade é introduzida para a obtenção de matéria ou experiência que curem outros, além de se condenar sem pestanejo à destruição uma fracção de Humanidade, dá-se o primeiro passo lógico para que, no Futuro, homens seleccionados sejam sacrificados com o fito de assegurar a saúde ou prolongar a longevidade de outros. É o corolário de um Tempo que não consegue viver com o sofrimento individual e decadência física naturais, que protege a um nível absurdo os direitos autorais de qualquer bicho careta, mas não tem um átomo de respeito para o copyright de Deus

2 comentários:

Carlos Portugal disse...

Brilhante, Caríssimo Amigo! Plenamente de acordo!

Grande abraço.

O Réprobo disse...

Meu Caro Carlos Portugal,
é uma total erosão das resistências psíquicas que podemos opor ao Abominável Mundo Novo.
Temo muito pelos tempos que se aproximam.
Abraço amigo