domingo, 22 de junho de 2008

A Escola da Noite

Nada detesto mais, sazonalmente falando, do que os dias de Verão, que me dão sono, afastam a disponibilidade dos Amigos e o apetite, reduzindo a Noite, em toda a sua dignidade, para além do sofrimento que o calor me causa, com um índice de transpiração superior à média que, em miúdo, chegava a mamifestar-se em forma de alergias, na pele.
Para culminar, ficou gravada a decisiva e admoestadora aquilatação de um verso de Gottfried Benn, em que se diz que o mais grave de tudo
é não morrer no Verão
quando tudo é claro
e a terra é leve para a enxada.

Não admira, até por me faltarem razões de remorsos de não ser Porto, que, apesar dos seus ridículos e limitações, prefira ver-me numa noite de Verão, em que, nem atentando nas faltas de jeito, os convívios nos libertam da camisa de forças diurna. Como cantava o algo novo Jacques Brel

JE SUIS UN SOIR D´ÉTÉ

Et la sous-préfecture
Fête la sous-préfète
Sous le lustre à facettes
Il pleut des orangeades
Et des champagnes tièdes
Et des propos glacés
Des femelles maussades
De fonctionnarisés
Je suis un soir d'été

Aux fenêtres ouvertes
Les dîneurs familiaux
Repoussent leurs assiettes
Et disent qu'il fait chaud
Les hommes lancent des rots
De chevaliers teutons
Les nappes tombent en miettes
Par-dessus les balcons
Je suis un soir d'été

Aux terrasses brouillées
Quelques buveurs humides
Parlent de haridelles
Et de vieilles perfides
C'est l'heure où les bretelles
Soutiennent le présent
Des passants répandus
Et des alcoolisants
Je suis un soir d'été

De lourdes amoureuses
Aux odeurs de cuisine
Promènent leur poitrine
Sur les flancs de la Meuse
Il leur manque un soldat
Pour que l'été ripaille
Et monte vaille que vaille
Jusqu'en haut de leurs bas
Je suis un soir d'été

Aux fontaines les vieux
Bardés de références
Rebroussent leur enfance
A petits pas pluvieux
Ils rient de toute une dent
Pour croquer le silence
Autour des filles qui dansent
A la mort d'un printemps
Je suis un soir d'été

La chaleur se vertèbre
Il fleuve des ivresses
L'été a ses grand-messes
Et la nuit les célèbre
La ville aux quatre vents
Clignote le remords
Inutile et passant
De n'être pas un port
Je suis un soir d'été

20 comentários:

fugidia disse...

Calor a mais também não gosto Rép; agora é muito bom ter dias de sol, temperatura amena... :-)

Venho dar o beijinho de boa noite: estou exausta: o dia foi em grande!
:-)

O Réprobo disse...

Ainda bem. Olhe que A repreendi, em Casa do Mike.
Beijinho

fugidia disse...

Ó Rép, não acredito que me passou tal post.
Poderia recordar-me, please?
(sorriso envergonhado)

Um beijinho recompensa?
;-)

O Réprobo disse...

Querida Fugi,
de ontem
«Uma Vez Só Não Basta?». Fica a ausência de link sendo o castigo...
Beijinho

Bic Laranja disse...

Lamento que passe pior no Verão. A mim é a estação que mais me anima.
Cumpts.

fugidia disse...

Querido Rép, não li. Fiquei extasiada com o poema e não li para baixo...
:-)

Beijinho... não; dois beijinhos, para me redimir...
(risos)
:-)

O Réprobo disse...

Meu Caro Bic,
pensando em Amigos como Este, sacrifico-me e não peço a abolição do Estio.
Abraço

O Réprobo disse...

Pronto, para Se redimir, diga lá o que foi na outra encarnação...
Bjs.

Cristina Ribeiro disse...

Também me sinto mal com calor demasiado. Assim como o de hoje (29 graus? ) é o ideal; mais do que isso...
Por isso mesmo procuro, quando faço férias no Estrangeiro, sempre por pouco tempo, ir até sítios frescos...
Beijo

Júlia Moura Lopes disse...

e eu que adoro o verão,Querido Paulo!...

ah, hoje foi o meu 1º dia de praia :-)

fugidia disse...

Sim, Répzinho, vou postar agora mesmo :-)

Beijo.

Cristina Ribeiro disse...

Volto aqi porque há pouco o computador teve uma "branca", e não pude ouvir o Brel; gosto muito do Brel!...
Beijo, Paulo

RAA disse...

Precisas é de banhos de mar, ó IC, no Guincho, de preferência!
Ab.

Júlia Moura Lopes disse...

tambem voltei pelo mesmo motivo

eheheh

ana v. disse...

As noites quentes são uma das coisas de que mais gosto no Verão.
E o Brel, óptimo! Já não ouvia há algum tempo e adoro.

O Réprobo disse...

Querida Frugidia,
vou já xeretar.
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Cristina,
por cá esteve acima diso. Mas constato outra afinidade entre nós, para além da sensibilidade expressa em olhar o mar e na dispensa da areia onde se espalmam os turistas.
Beijo

O Réprobo disse...

Querida Júlia,
Imaginá-La na praia faz-me retirar todas as críticas que dirigi à dita...
Beijinho

O Réprobo disse...

Meu Caro RAA,
obrigado, não quero tirar o lugar a Quem o não dispensa. E se é para me encharcar numa água que obrigue a banhar-me noutra, de seguida, melhor é ir directo ao fim.

com que então queres-me mandar para a salga, heim?
Abraço

O Réprobo disse...

Queridas Ana, Cristina e Júlia,
o computador malévolo podia ter feito coisa pior do que levarr-Vos a cá vir outra vez, ehehehehehe. Indo ao que interessa, o Brel está óptimo, aqui, com uns quadros de complemento muito bem congeminados, veja-se o magala a espreitar por detrás da moita.
Beijinhos