quinta-feira, 26 de junho de 2008

Vero Ouro Negro

Ainda haverá algo de novo a dizer do café? Pois aqui têm um achado que não deixou de me surpreender. Há muito que sabia que o néctar negro, ingerido sem excessos, tinha acção benéfica sobre o organismo. Mas ficar ciente de que recebê-lo pelo olfacto fossse suficiente para combater o stress, não passaria pela cabeça do mais optimista. Nesta civilização assombrada pelas agitações, irregularidades do descanso e depressões, como esquecida de Deus, não tarda, o papel da Divindade vem a ser preenchido pela cafeína.
E isto fez soar uma campaínha nesta cabeça suficientemente oca para lhe fazer corresponder ecos consequentes. Lembrei-me de um escrito de Verediano de Carvalho, jornalista brasileiro hoje esquecido, opinando em princípio do Século XX que cada Nação tinha um cheiro peculiar, como língua instituições, costumes, e por aí fora.
Assim, o Brasil cheiraria a café, açúcar e tabaco, Portugal a vinho, cebolas e laranjas, França a pó de arroz e absinto, a Inglaterra a carvão de pedra e sebo de carneiro, a Alemanha a cerveja, salpicões e repolho, Itália a pó de ruínas e azeite esturgido, a Espanha, a chocolate, pimentões e sangue, a Rússia a alcatrão e a linho, a Holanda a manteiga e queijo, a China a chá e ópio, a Turquia a esponjas e âmbar, a Bélgica a limalha de ferro, pelicas e rendas, o Paraguai a ervas e mato, o Peru a guano, a Suíça a leite de cabra, a Áustria a marrasquino, a Noruega a bacalhau e os Estados Unidos... a tudo.
Descontando pormenores secundaríssimos como o de ignorar o que seja cheiro a rendas e de fingir não ver a maldade feita ao Peru, dado como pia de gaivotas, cumpre verificar que os odores brasileiro, a café, e chinês, a chá, ilustram realmente dois Povos de que temos a imagem de pouquíssimo stressados. E da fragrância compósita norte-americana se pode dizer o mesmo que da salada de frutas em nutricionismo - o valor da mistura é muito inferior ao dos elementos.

16 comentários:

Cristina Ribeiro disse...

Depois desta certeira asserção sobre o povo brasileiro e chinês, o mínimo que se poderá dizer do estudo é que "si non é vero é bene trovato".
Beijo

ana v. disse...

Espantosa associação entre cheiros e países, Paulo. As coisas que vai descobrir! Eu, que tenho uma memória olfactiva apurada, acho imensa graça a este exercício.
Quanto ao café, por mais paradoxal que pareça é usado no tratamento das crianças hiperactivas, para acalmá-las. Logo, não será disparatado associar o café a países de pouco stress.
Beijinho

mike disse...

Ma è vero e it testo è eccellente, Cristina. Gostei bastante, Caro Réprobo.

Júlia Moura Lopes disse...

Alemanha , salpicões?...Eu diria Salsichões :-))

impensado disse...

Sobre rendas e aromas lembrei-me de Céline: http://impensavel.blogspot.com/2007/10/cine-comia-nouilles-dias-fio-porque-sem.html
Encontra a entrevista online no youtube (2 partes).
Mas sempre lhe direi que as rendas têm um cheiro agradável a gaveta - em que entra, a par de tempo, e pó de talco, alguma lavanda.
Os meus melhores cumprimentos.

fugidia disse...

O cheiro só é suficiente?
Excelente, Rép. :-)))
Mal sabia eu o bem que me fazia quando decidia acompanhar os meus amigos, apesar de eu não o beber, ao cafézinho...
(risos)

Luísa disse...

Não gosto, meu caro Réprobo, que nos conotem com cebolas. E acho injusta a associação da Espanha ao chocolate, apesar de saber da sua importância, enquanto bebida, nas tradições gastronómicas do país vizinho. Quanto ao café, deve haver na notícia um fundo de verdade. A minha chávena matinal é uma espécie de cachimbo da paz que fumo com o mundo, antes de passar ao ataque do dia-a-dia. É um momento inesperadamente suave, um intervalo na agitação. :-)

João Távora disse...

Caro Paulo

Recebeu o mail com a “convocatória”?

Abraço,

O Réprobo disse...

Querida Cristina,
sem dúvida. Ainda me lembro de certo Cavalheiro Brasileiro que conheci, o qual, dizia ser a Mulher Portuguesa bonita, mas, ao contrário das Compatriotas, andar sempre nervosa ou cansada.
Sem a Beleza redentora, outro tanto se pode dizer da parte masculina.
Beijo

O Réprobo disse...

Querida Ana,
prova de que afinal a vida metropolitana não é um formigueiro. Descobriu-se há tempos que o odor cafeinado deixa as formigas como que ébrias, passando a andar aos zig-zags...
Beijinho

O Réprobo disse...

Ainda bem, Caríssimo Mike! Só me senti infeliz pr o Autor não haver considerado Austrália e Nova Zelândia... Um dos meus Maoris Amigos decerto gostaria...
Abraço

O Réprobo disse...

Ah sim, Querida Júlia! Aquela famosa charcutaria da Baviera pareceria encaminhar por aí...
Beijinho

O Réprobo disse...

Meu Caro Impensado,
vou já ver o JFC.
A outra preciosa informação conduziu-me a um exercício novo - construir mentalmente um aroma, a partir da memória que guardo das essências dos componentes. Ssugiro a Todos, é um belo exercício intelectual.
Abraço

O Réprobo disse...

Querida Luísa,
como Expert Futebolística Que Se revelou, compreenderá que lhe dê tanto mais razão, por ouvir falar em Cebola, nestes dias, ser meio certo de fazer chorar um benfiquista.
Também associaria o chocolate mais à Suíça, por causa da Nestlé e à Bélgica, pela tradicional indústria. Apesar de o Espanhol ser excelente, tanto bebido como em tablette.
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Fugidia,
bem podia dizer que dessa medicina... só consumia um cheirinho!
Bjinho

O Réprobo disse...

Meu Caro João,
acabo de ver, sinto-me convocado.
Abraço