segunda-feira, 9 de junho de 2008

Fumos de Coppola

Anda tudo em polvorosa por Coppola ter feito repetir a cena de strip da bela Leticia Brédice 42 vezes. Não se percebe que este número suscite desconfianças tão libidinosas como outro em que se poderia pensar. E sabe-se do rigor do cineasta, de filmes anteriores, com situações da vida diversas. Nesta, as suspeitas de romance são, outrossim, condenáveis. Caso a cena a trabalhar fosse da intérprete a estrelar um ovo, levantar-se-iam tantas interogações? A única maneira
de um realizador estar certo de tudo sair à primeira como quis é de fazer o episódio ser protagonizado por um robot, programado a seu bel prazer. Mas nem assim ficaria este imune à fama de ceder às flechas de Cupido...

11 comentários:

compulsão diária disse...

Você me visitou! Que maravilha! Adorei seu espaço. Têm Cioran, gatos (tenho um casal), humor, simpatia pela solidão, seu texto, Portugal e você!
Ai, ganhei um grande presente.
De verdade!

Júlia Moura Lopes disse...

:-)

O Réprobo disse...

Querida Bea,
fui visitar o «Compulsão Diária» e fiquei fã. Vou passar a frequentá-La. É uma página magnífica e repleta de sabedoria e sensibilidade. Eliminar o fosso que o Atlântico pretende ser, com o convívio daqueles que têm as mesmas predilecções, livros e gatos über alles, parece-me um belíssimo programa de festas.
Como vê, o presente não era desinteressado: visava ter, em troca, a Sua Companhia.
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Júlia,
então gostou do robot stripper?
Beijinho

fugidia disse...

hehehehe
mania da perfeição, já se vê...
:-)

Júlia Moura Lopes disse...

não, Querido Paulo, não gostei- um robot é um robot, não sei se me entende ;-)

O Réprobo disse...

Querida Fugi,
só pode! Que outra razão haveria?
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Jíloa,
ehehehehehe, claro que era provocação pura, não me converti ao androidismo...
Beijinho

Júlia Moura Lopes disse...

eu percebi! :-)

mas gostei da ideia contida ´que teve ao menscionar e colocar o mesmo :-)

O Réprobo disse...

Ainda bem que estou perdoado, afinal só pretendia demonstrar que a perfeição pré-programada oferece os seus perigos...
Beijinho, Querida Júlia

Júlia Moura Lopes disse...

se oferece! :-)

beijinho