domingo, 15 de junho de 2008

Reservas Naturais

Sobre o Euro da Suíça tenho de deixar claro não se poder esperar dos abrangidos por uma designação que visa proteger as manchas verdes que viessem com vontade de comer a relva. Mas, se era para dormitar, melhor seria terem-se estendido neste relvado

6 comentários:

mike disse...

(risos)
Creio que dormitei mais que os protagonistas, Caro Réprobo.
Abraço.

fugidia disse...

Hum... deixe lá, Rép.; não valia a pena cansarem-se muito agora e sempre deram uma alegria aos suiços.
Afinal, fomos generosos :-)

O Réprobo disse...

Grande remédio para evitar desgostos, Meu Caro Mike!
Abraço

O Réprobo disse...

Querida Fugidia,
só que, apesar de se ter tornado um jogo a feijões, estas coisas dão cabo do Moral.
Logo, são imorais.
Beijinho

hi disse...

No meu parco e humilde entendimento, profissionais a este nível não podem alegar «perda de moral» ou «abalo psicológico». Ganham muito, têm mais é que correr.
Voltamos à conversa de sempre: "coitados, o árbitro anulou o golo,aquilo quebrou o ânimo"; "o árbitro não ajudou", etc. e tal.
Equipa «com raça», como se pretende, joga sempre para ganhar e não se deixa abater por um contratempo; luta contra ele.
Quem quer ser considerado bom, tem que ser bom. Não basta parecer.
E afinal, alguma vez alguém nos fez o jeito de ganharmos? Por acaso alguém pensou no último europeu que, já agora, depois de tanto esforço, era bom que Portubal ganhasse a final?
Eu não percebo nada de futebol, só acho que alguns princípios de vida se lhe aplicam.
Não me tira o sono, certamente, mas a minha consideração por aqueles jogadores é, actualmente, mínima.

O Réprobo disse...

Querida HI,
é nestes momentos que voltamos ao estribilho de sair de cabeça erguida, porque o árbitro apitu asim ou assado. Apetece mesmo citar George Bernard Shaw ais independentistas irlandeses que lhe eram simpáticos, quando se lhe foram queixar dos maus tratos da Polícia Britânica:
"ser maltratado não é um mérito".
O certo é que contra uma selecção à partida muito inferior aplicaram-se pouquíssimo. Pelo que tem inteira razão no que aponta.
Beijinho