segunda-feira, 26 de maio de 2008

Wuthering Hights

Rise de Susan MadsenMuitos ficarão surpresos com a compra de meios de difusão religiosa pela decrépita «Penthause». Não é o meu caso: nem tanto por me entrar pelos olhos adentro ser, na nossa época, o erotismo, como a religiosidade, tido como maneira de atingir o Céu. Antes porque, no sector imobiliário, o conceito de penthouse envia expressamente para as alturas; e por, na pouco rigorosa sociedade em que esbracejamos, ser associado a um estilo de vida luxuoso: é que, reciclando-se a actividade do grupo empresarial citado em populares sites de promoção de encontros, está a prometer altas sociedades, o que, na imaginação dos simples, pode ser tido como a sopro da ascensão à Alta Sociedade, ficando os esses finais justificados por boiarmos numa pretendida estrutura plural...

8 comentários:

Luísa disse...

Fico surpreendida e ficaria chocada, se não fosse a sua explicação, meu caro Réprobo. :-)
Incomodam-me a visão e a exploração frias e interesseiras que o mercado faz de todas as coisas, sem excepção.

Once In a While disse...

e não é que boiamos mesmo? salve-se quem tiver algum folego que permita o esbracejar como chamada de atenção.
Explicação à altura Caro Amigo e a imagem então .. :)

Cristina Ribeiro disse...

E não é que de depois de uma notícia destas nos faz sorrir? :)
Beijo

O Réprobo disse...

Querida Luísa,
claro que choca ver domínios sérios e huuuuuuuuuuuuuuum escapismos baralhados. Por isso convém voltar a dar, rindo, que doutro modo...
Beijinho

O Réprobo disse...

Ainda bem que gostou, Querida Once. Com tanta água evidentemente estagnada, receei ser sugado pelo lodo conexo. Nada como recorrer às Belas-Artes para conseguirmos ultrapassar esses perigos...
Beijinho

O Réprobo disse...

Esse sorriso já é recompensa enorme e faz esquecer a parvoeira materialista, Querida Cristina.
Beijo

ana v. disse...

Impossível não sorrir com a explicação, Paulo. Valha-nos o humor, há lá coisa mais salvífica?
Beijo

O Réprobo disse...

Querida Ana,
pois tem toda a razão! Já Chesterton não percebia como se poderia associar a Salvação à repressão da alegria sem maldade, própria de certos puritanismos. Claro que se ele tem visto aquela rejeição da Santidade de uma Vidalíssima Amiga, arrancava os bigodes...
Beijinho