sábado, 3 de maio de 2008

Condenação das Propagandas

O Sr. Lavagem ao Cérebro, mural da CalifórniaEdmundo Pedro, homem de mão em vários fretes ao regime, vem opinar que o Parl(a)amento deve explicar às gentes o que foi - na sua óptica - a dita dura. Ou seja, que, em vez de fazerem aquilo para que idealmente são pagos, legislar, os deputados passem a anunciantes de uma imaginada bondade comparativa deste sistema, quando confrontado com o anterior; e que não tenham de pagar por esta publicidade.
Mas a intenção está condenada: se insistirem na tecla de que o regime anterior foi o contrário deles, estarão a presenteá-lo com a mais eficaz das promoções, tamanho o desprestígio que lograram atingir. Ao contrário da associação ao Hitchcock da imagem, não há suspense que lhes possa ser benéfico.

4 comentários:

Bic Laranja disse...

Andam cheios de fé nos belos ideais. Não são capazes de entender que o silêncio é de ouro. Toda a publicidade é boa publicidade; o concurso eleiçoeiro do melhor português demonstrou-o masnão lhes serviu para nada, pobres mentecaptos.
Cumpts.

O Réprobo disse...

Meu Caro Bic,
tão grande é a cegueira quando se miram no espelho, que acham que as pessoas andam divorciadas da política por "não estarem devidamente informadas" Massacrando os outros, mascarando as próprias carrancas, vão acabar por trazer muito boa gente à simpatia do que apontam como seu inverso.
Abraço

av disse...

Acho que tem toda a razão, Paulo: a publicidade por comparação não ajuda nada aos políticos de hoje, depois de tudo o que (não)têm demonstrado...
Bjs

O Réprobo disse...

Querida Ana,
mas eles nem têm consciência do que são. Repetiram até mais ão poderem a cantilena que lhes encarecia a imagem e passaram a acreditar nela, ou seja, empreenderam o crime perfeito em sede de mentira.
Mas cá os faremos voltar à realidade.
Beijinho