sexta-feira, 2 de maio de 2008

E o Açaime?

Trela, Natureza Morta de Philip JurasAvesso que sou a ser localizado por meios tão entrados na normalidade e na normalização quotidianas como o telemóvel, não posso deixar de me insurgir contra este controlo das deslocações dos particulares, à revelia da sua vontade. Isto de as autoridades irem à fonte, quer dizer às agências de viagem, saber do paradeiro dos clientes é inaceitável, pois a incontactabilidade é um bem incluído no programa de muitas férias. Uma deslocação absorve no seu encanto uma certa dose de atracção pelo risco, o que qualquer terra estranha que nos isole um tanto acarreta.
Sei que a intenção aventada é a melhor, mas sem correspondência real. Na maior parte dos casos só os organismos preparados para atender a emergências nos pontos de destino poderão valer, não sendo os ganhos com a nova medida de molde a contrabalançar a perda da independência. Mas deve ser isto que se quer. E depois venham cá dar lições de moral sobre totalitarismo!

4 comentários:

Once In a While disse...

(de) Trela só no livro de Sagan (Françoise) que me encantou há anos atrás .. o demais, dispenso ;)

O Réprobo disse...

Não conheço esse, Querida Once, embora lhe tenha lido outros.
Esta inovação, que outra coisa não é, então, é dispensabilíssima!
Beijinho

av disse...

Acho que este Gabinete de Emergência Consular vai... desconsolar muio boa gente que se julgava a salvo, a coberto do anonimato, em gozo de férias. Pingo a pingo - tudo com óptimas intenções, claro... - vamos sendo cada vez mais controlados e somos cada vez mais um número. E no caso de férias clandestinas com a secretária, um número arriscado!

O Réprobo disse...

São precisamente esses os meus temores, Querida Ana. Ainda falam do Big Brother! Estes trouxeram a Sister, os Cousins, enfim, a famelga toda e em dimensão de gigantones!
Bjinho