segunda-feira, 24 de março de 2008

As Asas Dum Patrocínio

Gabriel da Anunciação de Filippino LippiNestas coisas da escolha de Santos Patronos o que mais me repugna é submeter os Candidatos a votação, degradando-Os do nível venerável que ocupam, na Proximidade de Deus, para o patamar de um qualquer político de partidos. Colocada esta questão prévia, no dia de São Gabriel Arcanjo, cumpre examinar a Sua adequação a patrono desta INTERNET em que nos movemos.

São duas as grandes concepções do Anjo Mensageiro cujo nome significa O Poder de Deus: a Cristã que O dá como o Símbolo da Misericórdia, a Judaica, que O vê como o do Julgamento e da Destruição, pelas conexões aos arrasados Sodoma e Templo de Jerusalém.
Ora, o que me preocupa é saber se não será prosápia acharmo-nos, globalmente dignos de Tão Grande Intercessão. Que a net é um poder, não duvido. Mas sê-lo-á sempre de Deus, para legitimamente pretender colocar-se sob a alçada Do que Lhe porta nome? Que dá notícias antes de muito meio de Comunicação Social, não se questiona. Mas serão sempre tão exactas como os Anúncios das vindas do Precursor e do Salvador? tenho sérias dúvidas.
Considerando a Concorrência, veria com bons olhos o Santo Editor, e, pela minha formação Salesiana, os Membros da Ordem citados. Mas talvez Santa Clara leve a Palma a Todos, neste martírio de proteger um meio tão duvidoso como aquele em que navegamos - discerniu visões numa parede, tal qual nos acontece no ecrã do monitor. Resta rezar para que sejam tão pias.
Como se vê, a minha objecção ao Angélico Mensageiro não significa menos apreço. Trata-se somente de pudor. E de nos exergarmos.

2 comentários:

av disse...

Pudor que só lhe fica bem, meu amigo. Porque acho que se perdeu toda a noção do ridículo, e toda a noção das proporções também. Porque é que não inventam um São Pixel ou uma Santa Giga? Seria mais apropriado...

O Réprobo disse...

Querida Ana,
claro que até os internautas têm direito a um olhar especial que lhes proporcione um atalho para o divino, mas tal não obsta a que tudo isto cheire a festival de promoção, para além de se procurar conferir uma seriedade no que, quanto a mim, deve circunscrever-se às fronteiras do lúdico. E claro que a colagem ao Anunciador das Vindas Que prepararam e consumaram a possibilidade de redenção é um tanto presunçosa.
Beijinho