segunda-feira, 24 de março de 2008

A Gestão dos Ódios

Com certeza que promover um filme de ódio a uma religião é coisa condenável e merece mais reacção do que a simples expressão de discordâncias dela. Mas só não é de estranhar este encerramento de um site anti-islâmico quando continuam pujantemente on line tantos outros, fanática e soezmente afrontadores do Catolicismo, porque se insere a discriminação numa dualidade de critérios há muito diagnosticada nos meios culturais e informativos do Ocidente - a que o desenho documenta e que traduz uma perigosa nova modalidade do ódio de si.Não conhecendo o filme, duvido, no entanto, de que o pior que diga do Islão, na perspectiva dos mais radicais Fiéis do credo atacado, seja a comparação a Hitler, já que é frequente ver imagens destas em manifestações nos países Muçulmanos. Seria bom termos mais detalhes sobre o conteúdo da fita, embora não tencione ver panfletos anti-religiosos, mesmo que ofendendo a Fé de outros.

6 comentários:

Rudolfo Moreira disse...

Não é novidade desde a companhia do mufti durante a guerra.

O Réprobo disse...

Mas o que eu pretendia sublinhar é que devem estar contidas no panfleto ofensas maiores, do ponto de vista dos lesados, ou dos mais vocais deles.
Ab.

Tiago Laranjeiro disse...

São estes os tempos modernos, meu caro...
A perversa lógica da tolerância que nos impingem na escola.

Nuno Castelo-Branco disse...

Se estas "envelopadas" pudessem sonhar o que Hitler lhes faria...

O Réprobo disse...

É incrívelo masoquismo, ou a raiva surda contra a Tradição Ancestral que levam a tão grande discrepância entre o tratamento de quem nos é hostil e o de Quem deveríamos reconhecermo-nos herdeiros. Esta gente levou absurdamente a sério a necessidade psicanaliticamente inventada de "matar o Pai"!
Abraço, Meu Caro Tiago Laranjeiro

O Réprobo disse...

Meu Caro Nuno,
as Persas ainda poderiam pretender safar-se. Mas quando pensamos que este sentimento está muito patente em terras Árabes, logo semitas...
Abraço