quarta-feira, 30 de abril de 2008

Bom Vento A Trouxe!

«Porta do Vento» faz um aninho nestas andanças. Devo dizer, curto e grosso, que contactar com a Ana Vidal, pela fascinação da Escrita, como pelo magnetismo da Personalidade da Autora, já teria feito valer a pena de me fazer blogueiro. A Passagem de Chamine que segue indica bem que aquela Casa é a Porta do Céu.Junto um poema de nada negligenciável autoria. Nele se prova, nuanceando o lema da Página da Nossa Amiga, que fechando a porta ao Vento, se pode também incrementar os conhecimentos pessoais. Porque esse possessivo soprador é o Nada, o rival de todos nós, que frequentamos a casa da Ana.
De Ted Hughes,

THE WIND

This house has been far out at sea all night,
The woods crashing through darkness, the booming hills,
Winds stampeding the fields under the window
Floundering black astride and blinding wet

Till day rose; then under an orange sky
The hills had new places, and wind wielded
Blade-light, luminous black and emerald,
Flexing like the lens of a mad eye.

At noon I scaled along the house-side as far as
The coal-house door. Once I looked up --
Through the brunt wind that dented the balls of my eyes
The tent of the hills drummed and strained its guyrope,

The fields quivering, the skyline a grimace,
At any second to bang and vanish with a flap;
The wind flung a magpie away and a black-
Back gull bent like an iron bar slowly. The house

Rang like some fine green goblet in the note
That any second would shatter it. Now deep
In chairs, in front of the great fire, we grip
Our hearts and cannot entertain book, thought,

Or each other. We watch the fire blazing,
And feel the roots of the house move, but sit on,
Seeing the window tremble to come in,
Hearing the stones cry out under the horizons.

4 comentários:

fugidia disse...

Parabéns à Ana Vidal, que escreve belíssimamente.
Parabéns à Porta do Vento, pela qual todos os dias passo, com prazer e com a certeza de ser muito bem recebida.
Beijinho aos dois.

O Réprobo disse...

Obrigado pelo que me toca, Querida Fugidia, mas a Parte de Leoa, hoje, é da Ana. Que escreve como diz e é Melhor ainda. Estas palavras a Minha Amiga não as leva
o Vento, que nós não deixamos.
Beijinho

av disse...

Muito obrigada, Paulo. Bondade sua e muito exagero, nesta classificação que faz do Porta do Vento. mas lá que é um espaço de Amigos, isso é.
Um beijinho (também à nossa Fugitiva amiga)

O Réprobo disse...

Qual exagero, Ana! Então o template da «Porta do Vento» não anda muito próximo da tonalidade celeste desta pintura?
Beijinho grato por nos brindar com tal Prenda