domingo, 27 de abril de 2008

Quando o Sabor Está Em Saber

Ando desde o Natal para Vos dar conta de um local de compras que é imperioso visitar, mas só agora resolvi certas incapacidades informáticas que me tolhiam: Os «Sabores da Linha» são propriedade de Pessoas Amigas, mas não é esse o factor que faz figurar aqui a publicidade à Casa, senão o orgulho que sinto em comprovar uma vez mais o esmero e o gosto que as minhas Amizades revelam.Quando não tiverdes ideia sobre um presente a dar, encontrareis aqui o refinamento sob a forma de doces, condimentos invulgares, vinhos e licores - para onde logo se virou a minha atenção -, pastas raras, tudo o que de menos comum imaginar se possa, trazido de recantos do País pouco alcançáveis na lufa-lufa destes dias, ou importado.

Fica mesmo ao pé da paragem de taxis de São João do Estoril, por sua vez contígua à estação da linha férrea. Vale a pena a visita, mesmo que não tencioneis comprar, pois os olhos também comem e o requinte recompensa a deslocação. Mas duvido de que o eventual Visitante não venha a ceder às muitas e fortes tentações...

24 comentários:

fugidia disse...

Para a próxima, em vez de olhar só para os vinhos, licores etc., lembre-se das suas comentadoras e compre uns chocolates, sff.
Gracias.
:-D

O Réprobo disse...

Está prometido! E envio-os por e-mail? Como se faz?
Bj.

Rosarinho disse...

Pretendo com este comentário, como dizem os brasileiros, parabenizar o R.
Há uns anos, na sequência de uma conserva com um amigo da zona da Guarda, constatei o erro da maior parte das pessoas (a sul) que consiste em conjugar os verbos na 3.ª pessoa do plural quando estamos a dirigir-nos a um interlocutor plural (ao vós, portanto). Confesso que a evidência do erro me fez confusão, perante a vulgaridade da conjugação. Comecei a evitar o erro no meu discurso (o que provoca risos e estranheza nos interloculores), mas a verdade é que hoje, além de errado, me parece horroroso e deselegante usar a conjugação do "eles" para o "vós".

Parabéns, pois, ao R. que escreveu este post no mais puro (e bonito) português.

P.S. Depois de reflexões aturadas, penso que a vulgarização da coisa se deveu à utilização (também ela hedionda) do "você". Ninguém diz "vocês quereis um licor?", de facto. Bem basta a grosseria do "você"!

av disse...

Aqui tão perto e não conheço... boa dica, Paulo. Um dia destes vou lá espreitar, já que é o género de lojinhas em que me perco!

filomeno2006 disse...

El Rincón del Gourmet

filomeno2006 disse...

Delicatessen

O Réprobo disse...

Querida Rosarinho,
muito obrigado. Não me quero fazer melhor do que sou. muitas vezes escorrego também para o "vocês", que atribuo a uma tentativa de imitar o inglês, a língua franca que vai de vento em popa. Mas com ineficácia, porque, onde nos outros tudo é "you", por cá teve de se acrescentar o "s".
Entretanto, em tratando de exortações, como no caso, tento alinhar pela forma com mais pergaminhos, por o "vocês" me parecer muito agressivo.
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Ana,
estou certo de que apreciará muitíssimo. Suspeito como sou, penso que é justamente talhado para a Exigência Maior.
Beijinho

O Réprobo disse...

Meu Caro Filomeno,
um grande nome descritvo que dás para o estabelecimento! E sim, é um dos "pratos fortes" expostos!
Abraço

RAA disse...

Meu querido: valeu a pena esperar! As fotografias estão óptimas, e as tuas palavras amigas são isso mesmo. A Teresa, aqui ao lado, diz-te para lá ires tomar um café.
Um grande abraço.

fugidia disse...

Meu querido Réprobo,
por e-mail não me parece nada boa ideia: V. ainda me mandava uma fotografia e essa já eu a tenho no post :-)

Mas podemos fazer assim: V. deixa o pacote escondido algures em Lisboa, manda um e-mail a dar pistas e eu vou lá buscá-lo :-p

Outra hipótese (muito mais interessante mas mais onerosa): marca um belo repasto, convida todos os seus comentadores e oferece às Senhoras os chocolates e aos Cavalheiros os vinhos e licores! Que tal?
:-) :-) :-)

O Réprobo disse...

Meu Muito Caro RAA,
olha que ainda hoje me maravilhei com um produto do Estabelecimento! Um picante delicioso, fabrico tradicional de Loulé, de amarinhar pelas paredes!

Quem sabe se não vou mostrar a Casa à Ana Vidal? Agradece à Teresa!
Abração

O Réprobo disse...

Querida Fugidia,
ficamos combinados! Vou começar a pensar nos indícios da caça ao tesouro.
Beijinho. Não ficou mortinha pelos raios do Astro-Rei, não?

O Réprobo disse...

A segunda hipótese é aliciantíssima.
Em calhando o totolto é já a seguir, mas é que é já a seguir, Querida Fugidia.
Bjinho

fugidia disse...

:-)
:-)
:-)

Fico à espera do "já a seguir" :-D

No entretanto, aguardo ansiosa (e aguada) as pistas da caça ao tesouro (ainda por cima adoro chocolate) :-D

av disse...

Com este calor, Fugidia, parece-me que será mais "mousse de chocolate" o que vai encontrar no fim dessa caçada...

Paulo, já agora aproveito para dizer-lhe que não consigo mandar-lhe um mail. Volta sempre para trás, devolvido, não sei porquê.

Beijinhos

O Réprobo disse...

Querida Fugidia,
vou pôr-me a fazer planos para essa corrida à doçaria. Esperemos que não estejam votados ao destino dos do Coiote para caçar o Bip-bip...
Beijinho

O Réprobo disse...

Queruda Ana,
também não sei, mas vamos tentar resolver isso já.
Beijinho

av disse...

Tem graça... eu, ao contrário de "vocês", uso muito o tratamento por Você e não lhe vejo nenhuma agressividade. É uma corruptela de Vossa Mercê (muito usado no Norte com todo o respeito, já que até se usa em relação aos Pais), que ainda deu um estranho Vossemecê, pelo meio. Só me irrita quando o Você é usado intencionalmente, para marcar posição de nivelamento. Fora isso, acho prático e simples.

Júlia Moura Lopes disse...

eu nem sei que diga...fui educada ouvindo que o "você" não se deve usar...lebro que há muito pouco tempo o meu ex-sogro ia tendo um ataque pq no hospital o trataram por você, na melhor das intenções, mas ferindo a sua forma de ser e estar...

Acho que a minha convivencia na net me deu para aderir, embora nem sempre, ao "você" dos brasileiros... neles a palavra é diferente e a carga perjorativa também.
Temos que concordar que a atitude da Ana é a mais saudável e acompanhar os tempos também é bom e +e prático,concordo, se não for mal intencionado nem mal usado.

O Réprobo disse...

Querida Ana,
atenção, eu também uso o "Vocês", tento é evitá-lo em casos de incitamento, por me parecer mais áspero "Vocês vão lá, Vocês façam isto", do que um "ide" ou um "fazei"...
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Júlia, é curioso que estando o "Vocês", Você" a generalizar-se tanto no nosso País, tenho notado em cultivadíssimos Colegas Brasileiros da Blogosfera um retraimento em usá-lo nas conversas com portugueses. Tentativa de evitar um termo que nos imaginam desagradável?
Beijinho

av disse...

Possivelmente, Paulo, também já reparei nisso. Há que ter algum cuidado nas expressões usadas nos dois países e nos seus diferentes significados (a nossa inocente "rapariga", por exemplo, que no Brasil é um epíteto altamente ofensivo).
Quanto ao Você, nunca me lembraria de tratar os meus pais assim (ou outras pessoas mais velhas do que eu, com quem faça alguma cerimónia). Reservo esse tratamento para amigos ou conhecidos, os que não trato por tu. Porque é coloquial, repito, e prático.
Beijinho

O Réprobo disse...

Sim, sem dúvida, também o uso, embora não num registo arcaico como o destas prescrições de um perdido...
Beijinho, Querida Ana