quinta-feira, 17 de abril de 2008

Géneros da Distracção

Mala-Cérebro, segundo Jim Takushi

A Once In A While deitou a semente da discussão sobre a distracção feminina. Claro que não é exclusivo Delas, acontece é que é vocacionada para pensar os objectos guardados em locais muito mais inacessíveis do que aqueles onde pousaram. A dos homens é mais canalizada para si próprios, o que é divertido, ou para desligar de quem com eles convive, coisa que cada vez mais se revela trágica. Depois desta bela teorização, tem o papalvo que escreve estas linhas de confessar que, certa vez, depois de fazer uma bolinha com um papeleco que tinha na mão, descobriu, a meio da viagem, que fora o bilhete de comboio que encaminhara para o lixo...
Mas como se acabou a debater as malas das Senhoras, deixo esta imagem subordinada ao tema onde terei deixado hoje os meus miolos? A infelicidade que nos cabe está em, apesar da horrenda moda das pochettes hoje ultrapassada, nós nem a escada de incêndio da carteira de mão possuirmos.

18 comentários:

Once In a While disse...

..esses eu felizmente e ainda (risos) sei muito bem onde estão. Ás vezes até gostava que se desligassem um pouco, os miolos bem entendido Caro Paulo (abandonando o Réprobo, com a sua licença)
:)

Nocas Verde disse...

... vim agradecer "pessoalmente" pela compreensão (lol)

E os miolos? Quais? De quem? É que, conforme isso, poderei dizer o que fazer...deitar fora, esmigalhar... rsrs (not in my days today)
Mais uma vez agradecimentos deste lado

fugidia disse...

Estou farta de me rir! Que raio de carteira :-)

As minhas são em geral pequenas, para ver se ponho lá poucas coisas... mas andam sempre a abarrotar :-(

av disse...

As minhas, ao contrário, são enormes! E acho que só mesmo os sapatos é que não ponho lá dentro... muitas vezes tenho que despejar tudo para encontrar alguma coisa!

Mas este modelo da fotografia é que não lembra a ninguém! Apesar disso, e embora os miolos da senhora estejam fora do lugar, temos de conceder que têm um tamanho impressionante!

beijinho

Júlia Moura Lopes disse...

as minhas são enormes.

Luísa disse...

Tem toda a razão nas suas conclusões, meu caro Réprobo. Não tinha pensado nisso, mas não há dúvida de que as faculdades organizativas masculinas têm de se ressentir da falta de um suporte físico (carteira de mão) – embora haja alguma abundância de bolsos nos casacos. De repente, já me sinto capaz de perdoar as sistemáticas perdas de chaves, porta-moedas e telemóveis registadas no currículo do «dono» desta minha casa. :-D

cristina ribeiro disse...

Dão muito jeito- para nós e para os outros, pois temos sempre o lenço de papel ou o penso rápido de que precisam-, mas quando têm um fundo quase como o do poço é uma trabalheira a procurar aquilo que se procura e não encontra: quase uma agulha no palheiro...
É por isso que as minhas têm de ter divisões para tudo.
Beijo

O Réprobo disse...

Querida Once,
ainda bem! Mas a Senhora fotografada terá sobre a Minha Querida Amiga a vantagem da literalidade, no considerando que diga ter os miolos bem à mão...
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Nocas Verde,
nada a agradecer! Eu fiz, na minha juventude, parte desse flagelo que ora estuda, pelo que me compadeço das outra Vítimas dele...
Beijinho muito grato pela visita

O Réprobo disse...

Querida Fugidia,
está a ver, se a jovemfotografada seguir o exemplo que dá, pode dizer sem mentir que tem um cérebro cheio!
Beijinho

O Réprobo disse...

Ainda à Nocas V,
claro que nas alternativas estaria fazer um cozinhado que até um, ministro comeria em público, como o do tempo das vacas loucas.
Bj.

O Réprobo disse...

Querida Ana,
está a brincar, mas uma Querida Amiga minha traz sempre um par de sapatos dentro da carteira, para conduzir o automóvel, o que diz não fazer tão bem com os que usa normalmente...

Se tamanho fosse documento, em termos de mioleira, isto é que seria wishful thinking!
Bjinho

O Réprobo disse...

Querida Júlia,
o que me faz lembrar a que desapareceu há algum tempo. Só roubada, desse tamanho era difícil perdê-la...
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Luísa,
somos umas vítimas! Os bolsos não podem ser demasiado preenchidos, ou ficamos cheios de chumaços que despertam a desconfiança do mais sonolento agente da polícia!
Beijinho

O Réprobo disse...

Querida Cristina,
imagino o quanto os compartimentos devem ajudar! Mas nunca acontece bater na porta errada?
Beijo

cristina ribeiro disse...

Como diria o outro, "raramente me engano" :), porque primeiro tenho de ter tudo bem compartimentado dentro da cabeça :)
Beijo, Paulo

O Réprobo disse...

Abençoada organização! Afinal o modelo para a valise fotografada mora no Minho!
Beijo, Querida Cris

Sofia disse...

As minhas carteiras são sempre enormes, mas sempre demasiado pequenas para tudo o que tenho de põr lá dentro. Será que tenho mesmo de andar com aquilo tudo atrás?

O problema é encontrar algo de que preciso mesmo e quando preciso. O telemóvel, o mp3 e as chaves do carro são os alvos mais comuns. Ao contrário da Ana ponho lá os sapatos, armo-me em Betty Boop, mas tenho sempre umas sabrinas para quando já não aguento as andas!

beijinhos