sábado, 19 de abril de 2008

Pesos & Medidas

Autópsia Com Pedaços de Cérebro Humano de Damien HirstCom as altercações e descobertas da pólvora com que periodicamente nos brinda, vem a Ciência desmentir a ideia enraizada de maior inteligência corresponder a peso físico da mioleira. Em rigor, nada de novo. Claro que não há um critério fiável para definir a dimensão comparada da capacidade intelectual e os mitos que se constroem à volta desse espinhoso tema vivem das admirações partidárias. Quem esquece o caso da relíquia macabra do cérebro de Lenine, conservado em lugar de visitação, separado do resto, para permitir a idolatria ritual do líder da Redenção dos Oprimidos, que o dogma revolucionário obrigava a ser o contrário da burrice?
Mas um caso mais diluído na memória colectiva deu brado, no seu tempo: o de Gambetta, durante muito tempo publicitado pelos apaniguados como dos homens mais inteligentes de França. Analisada a massa cinzenta respectiva, verificou-se dar na balança ums medianos 1200 gramas. O que obrigou a difundir as conclusões publicadas pelo Professor Joseph Simms, na viragem do Século XIX para o XX, que prejudicariam a relação física estabelecida com o alcance mental. Segundo o sábio, o maior recheio cerebral cadastrado até então era o de um ardina londrino meio idiota, senhor de uns espantosos 2.340 gramas. E para que se não pensasse ser caso isolado, o que se lhe seguia era o de uma anã indiana, ainda com vantagem de 70g sobre o maior dos génios recenseados, o de Turgueniev,(2.130). Mas a média dos grandes espíritos andaria pelos 1500g.
Claro que desde Einstein se aceitou a variante de não ser o peso bruto o importante, mas o aproveitamento que dele se conseguiria retirar, estabelecendo-se uns míticos 19% de record para o pai da Teoria da Relatividade. Só que na própria comunidade científica os métodos de aferição são contestados. pelo que bom será não nos metermos por essas vias.
Penso que o factor mais perigoso do novo estudo será o da comparação entre o interior das cabeças femininas e masculinas. Com a sede de uniformização e a avidez de manipular na Biologia sem ética de hoje, qualquer dia, estarão a ser praticadas intervenções na psique das Mulheres para as assemelhar às nossas pobres. Já se começou a pôr as fémeas de moscas a cantar... e o que se experimenta nos animais costuma depressa passar para os Humanos...
Não tarda, desaparecerá o resto de encanto que o Mundo ainda guarda.

3 comentários:

av disse...

Já lhe respondo, Paulo. Lá na Porta que já conhece.
Um beijinho

O Réprobo disse...

Muito bem, Querida Ana, corro para Lá.
Bjinho

Anónimo disse...

'Bjinho'...

ah! ah! ah!
hoje o Menino está CHIQUÉRRIMO!!!